Explore o que são os tags hreflang e como usá-las corretamente

Explore o que são os tags hreflang e como usá-las corretamente

Em primeiro lugar, vamos descobrir o que é isso? O Hreflang é uma solução técnica para sites com o mesmo conteúdo em vários idiomas, por exemplo, usuário é um residente da França, a página do site está no SERP em inglês, mas há também uma versão em francês. Qual é o seu objetivo? Você precisa se certificar de que esse usuário específico do Google visualize a página em francês. Com tags Hreflang, você pode especificar que uma página é para residentes dos Estados Unidos e a outra para britânicos, ou você pode criar duas páginas diferentes para usuários da Alemanha e Áustria – este é exatamente o propósito para qual o atributo Hreflang foi desenvolvido.

Antes de ler esse artigo, recomenda-se ler as instruções do Google.

 

#1: Vamos ver se você precisa de tags Hreflang no seu site?

 

Claro, este é o passo mais simples em todo processo, mas para tomar uma decisão fundamentada, você tem que considerar várias nuances – se você:

  •  Tem o mesmo conteúdo em diferentes idiomas;
  • Tem conteúdo voltado para diferentes regiões geográficas, mas o idioma é o mesmo.

Para maior clareza, aqui estão alguns exemplos :

Exemplo 1: O site em inglês que possui três versões diferentes: uma para os Estados Unidos, outra para o Reino Unido e a última para o resto do mundo;

Exemplo 2: um site com três versões de idiomas internacionais: inglês, espanhol e francês;

Exemplo 3: um site global com três versões para diferentes continentes com base no idioma inglês: para Europa, Ásia, Estados Unidos e Canadá;

Exemplo 4: um site com versões em inglês e espanhol, mas apenas para os Estados Unidos;

Exemplo 5: um site para um país com diferentes idiomas nativos.

Se algum desses exemplos for semelhante à sua situação, você definitivamente irá precisar de um atributo hreflang

 

#2: Crie um mapa com versões dos países e idiomas do seu website

 

A localização atual do usuário e as configurações do seu idioma determinam o URL mais apropriado. Usuário pode ter vários idiomas nas configurações do navegador. A ordem em que esses idiomas aparecem nas configurações determina o idioma mais apropriado para uma experiência vantajosa para o usuário.

A melhor ideia é criar uma tabela de três colunas:

  •  Idioma: uma versão do site tem apenas 1 idioma e é importante não misturar idiomas
  • Versão do site: você pode criar várias versões de site em um dos vários domínios ou em subdomínios diferentes;
  • Países: Todos os sites podem segmentar o público de um país para todo mundo.

Para o idioma ou sites de um país, essa tabela é muito simples. No entanto, para todos os outros, existem alguns exemplos mais detalhados.

 

Exemplo 1: um site em inglês com três versões diferentes: para os Estados Unidos, para o Reino Unido e para o resto do mundo.

Você pode usar domínios diferentes. Por exemplo, o site para os Estados Unidos e o resto do mundo pode usar domínios como .com/ us / ou .com / en /, quando o site do Reino Unido pode ser hospedado em .co / uk, este é um bom exemplo.

 

Exemplo 2: Um site com três idiomas internacionais: inglês, espanhol e francês.

É principalmente para usuários de empresas globais com diferentes idiomas e países como SaaS ou indústrias semelhantes (observe que o mesmo domínio .com é usado para todas as três versões, mas em subdiretórios diferentes).

 

Exemplo 3: O site global com três versões para diferentes continentes com base no idioma inglês: Europa, Ásia, Estados Unidos e Canadá.

Você tem a mesma língua, mas o público vem de todos os continentes. Portanto, deve haver três opções diferentes:

  • Países da Europa: Bélgica, Islândia, Alemanha, Áustria, Suíça, Portugal, República Tcheca, Hungria, Dinamarca, Finlândia, Reino Unido, Croácia, Itália, Luxemburgo, França, Noruega, Suécia, Holanda , Polônia e outros;
  • Canada, EUA;
  • Países da Ásia: China, Austrália, Índia, Japão, Hong Kong, Nova Zelândia, Indonésia.

 

Exemplo 4: uma plataforma com inglês espanhol, mas apenas para os residentes dos Estados Unidos. Essa opção é para os países com diferentes idiomas em um estado ou em ambientes multilíngues, nesse caso, você deve considerar o uso de um domínio específico do país, como https:// es. e http:// en.

 

Exemplo 5: um site para um país com diferentes idiomas nativos.

Normalmente, essa opção é usada para proprietários de comércio eletrônico (lojas on-line, periódicos globais on-line, serviços de viagens ou educacionais e outros) em todo mundo. As empresas B2B geralmente usam inglês como país nativo.

 

domínio linguagem país
.ch/fr/ Francês Suíça
.de/ Alemão Alemanha
.com.uk/ Inglês Reino/Unido
.be/fr/ Francês Bélgica
.ch/de/ Alemão Suíça
.be/nl/ Holandês Holanda

 

Há uma mistura de subdomínios e estratégias de subdiretórios com a ideia de mostrar que as opções no site podem ser diferentes com uso da tag Hreflang.

 

# 3: estrutura do site e estratégia de domínio

 

Existe uma regra muito importante. O Google interpreta o conteúdo automaticamente em domínios específicos do país (ccTLDs), conforme segmentado para usuários de um país. Ainda assim, como já foi notado, o atributo hreflang pode implementar quase todas as com combinações de domínio, subdomínios e subdiretórios:

  •  v g TLD (domínio de primeiro nível geral) é um domínio de nível superior criado para segmentação de endereços de recursos eletrônicos de uma determinada classe de organizações ou comunidades;
  • v vc TLD(domínio genérico de primeiro nível) é um domínio de nível superior dedicado a um país específico; por exemplo: .de para Alemanha, .fe para França, etc.

O ccTLDs estão associados a um país específico. Pelo contrário, os gTLDs não são específicos de um país. Nem todos precisam considerar essas informações, mas para fins de segmentação internacional, isso é muito importante porque, ao usar um subdomínio ou subdiretório ccTLDs, você segmentará apenas o público alvo do país associado a um ccTLD.

Usando o Google Search Console do gTLD, você pode optar por segmentar o conteúdo para usuários de um país específico. Ao usar o ccTLDs, é impossível especificar um país porque ele já foi escolhido pelo seu ccTLD. É complicado mas vamos ver o que podemos fazer.

Usando o ccTLDs, Você segmenta o público-alvo do site do país correspondente, mas não o público de outros países com conteúdo do website de seu domínio. Certifique-se de criar uma estrutura com as opções de segmentação “todos os países“ ou “resto do mundo” para segmentar usuários em um gTLDs. O que isso significa ?

Por exemplo, você tem um site com versões para vários países, mas nenhuma versão de idioma genérico para o público dos países. Seria razoável adicionar versões de idioma genérico em um gTLD de idiomas já criados para usuários fora do mercado do próprio site. Assim, indicando uma boa estrutura de domínio internacional e multilíngue, podemos definir facilmente valor do hreflang para cada versão do site. Isso é algo que você deve ter em mente.

 

#4: valor Hreflang para cada país e opções de idioma

 

  •  O valor de hreflang tem um código de idioma e um código do país, separados por um hífen;
  • os códigos de idioma tem formato ISO 639-1, os códigos de país tem formato ISO 3166-1 Alpha-2;
  • O valor do Hreflang pode ser atribuído apenas uma vez e, de acordo com isso, você não pode ter duas versões do seu site que são direcionadas ao mesmo idioma e aos mesmos usuários do país (todas as combinações de idiomas e país devem ser exclusivas);
  • URLs podem receber vários valores de hreflang de uma só vez.

Agora podemos adicionar a quarta coluna no exemplo 5 (segundo passo).

 

domínio Idioma País valores do hreflang
.ch/fr/ Francês Suíça de-CH
.de/ Alemão Alemanha de-DE
.com.uk/ Inglês Reino Unido en-GB
.be/fr/ Francês Bélgica fr-BE
.ch/de/ Alemanha Suíça de-CH
.be/nl/ Holandês Holanda dt-NL

 

 

 

Todas as versões do “exemplo 5“ são direcionadas ao país exato hospedado em um ccTLD, portanto, todos recebem os códigos de países opcionais e, embora as versões do site estejam hospedadas em ccTLDs, os códigos dos países não são necessários, porque os ccTLDs são automaticamente associados ao país. Os valores hreflang corretos do código do país devem sempre receber URLs nos ccTLDs.

 

#5: Hreflang = “x-default”

 

Esse é um valor especial para o atributo hreflang chamado “x-default”, que especifica onde os usuários devem ir se nenhum dos idiomas corresponder às configurações do navegador nos links hreflang. Pela primeira vez, tal oportunidade será apresentada para páginas de destino internacionais – isso quer dizer as páginas para as quais você redireciona os usuários, dependendo da sua localização.

Ao mesmo tempo, serve como uma ferramenta universal. Se a localização e o idioma do público não correspondem aos estabelecidos, eles serão redirecionados. Por exemplo, um usuário da Alemanha está procurando por algo no idioma inglês — como regra, não há um URL adequado e, nesses casos, o X-default é usado. O quarto link é adicionado e acontece:

  •  De;
  • De-at;
  • De-ch;
  • X-default

# 6: anotações do hreflang

 

As anotações de hreflang devem ser implementadas em um nível de URL. Portanto, cada conjunto de URL de um país ou idiomas diferentes recebem seu próprio conjunto de anotações.

  •  Nem todas as páginas podem existir em todos os locais e idiomas. Você não deve usar anotações hreflang para contar páginas ausentes.
  • Você precisa de anotações para mudar apenas para páginas que deseja indexar o sistema de pesquisa, o que é um ponto importante a ser considerado.
  • URLs não canônicos não devem ter anotações hreflang.

Escolher anotações hreflang pode ser uma coisa muito complicada. A coisa mais importante que você precisa cuidar é que as páginas de sua conta devem estar ligadas a anotações hreflang recebidas.

 

#7: métodos de implementação Hreflang

 

Existem três métodos comuns:
1.Sitemaps XML
Existem vários problemas com o processamento das informações nos sitemaps pelo Google, porque ele não processa páginas XML com frequência. Portanto, ao escolher esse método, você pode enfrentar alguns erros no Google Search Console.

Geralmente, os desenvolvedores preferem usar sitemaps XML para implementá-lo no código-fonte HTML com cada página para sites globais (mundiais). Acreditamos que muitas anotações hreflang causam mais problemas em um sitemap XML do que na seção de cabeçalho de códigos de uma página.

O que devemos ter em mente? A decisão depende, mas se você ainda usar o método de implementação de sitemaps XML, recomendamos que você consulte mais informações sobre as recomendações do Google antes de cometer alguns erros.

2.O cabeçalho HTTP de cada página
Teoricamente, o cabeçalho HTTP de cada método de implementação de página tem todas as vantagens de que você precisa:

  • O Google recebe as informações do cabeçalho HTTP o tempo todo, diferentemente do caso dos sitemaps XML;
  • Você pode definir cabeçalhos HTTP para cada URL, mesmo sem código de fonte próprio, bem como para PDFs e outro arquivos não HTML.

No entanto, este método também é bastante complicado de usar. As ferramentas de SEO não verificam com a atenção suficiente os cabeçalhos HTTP. Portanto, muitas vezes, provocam mais dificuldades do que benefícios, mas, por outro lado, o código por si só é bastante fácil de escrever e é muito semelhante ao cabeçalho HTML.

A seção de cabeçalho do código HTML de cada página
É definitivamente o método mais popular e simples de implementação do hreflang na internet. E o mais recomendado para uso em todos os desenvolvedores também. No entanto, infelizmente, também existem alguns contras para este método.

Pode haver um problema de erro a usar o valor padrão X para suas páginas, portanto, se a página inicial do seu site tiver como objetivo redirecionar o público para o local ou idioma do navegador, é melhor usar os outros dois métodos hreflang de implementação.

Além disso, se você tiver muitas opções diferentes de local ou idioma, precisará fazer muitas anotações hreflang, o que tem algumas consequências negativas. Quais? O código adicional longo aumenta o tamanho da página da web e, portanto, pode diminuir o tempo de carregamento e, se você não quiser aumentar o tamanho do site, deve considerar o uso de outro método. No entanto, existe outra coisa a ter em mente. Na verdade, nem sempre os tamanhos de páginas da web padrão são os ideais (devido a inúmeras razões, incluindo problemas de internet de diferentes países), portanto, é necessário fazer algumas pesquisas para encontrar a opção mais eficiente para o seu recurso e seus usuários.

Há também algumas dicas importantes que você deve prestar atenção ao trabalhar com hreflang:

  •  Você deve criar um Google Search Console para todas as opções de local e idioma
  • Você deve alinhar sua implementação hreflang com as opções de segmentação internacional. Você deve lançar e resolver todos os erros no Google Search Console.
  • Fique atento a um grande aumento nos tamanhos das páginas da web, se você não quiser incomodar os usuários com carregamento lento;
  • Não se esqueça de controlar suas impressões das ferramentas do Google para webmasters.

Agora que você sabe tudo! O uso do atributo hreflang é parte integrante da otimização de recursos globais da web para uma percepção correta dos mecanismos de pesquisa e para determinação exata e adequada de exibição de uma versão de idioma específica para um usuário específico.

O cumprimento desta condição fornecerá ao seu recurso da web estatísticas positivas dos principais indicadores levados em consideração pelos mecanismos de busca, o que, sem dúvida, afetará os resultados gerais de sua divulgação.

 

 

Verifique se há erros no seu site

No limits! Upgrade your account to crawl this domain